vinimoreira.com.br
e-mail: contato@vinimoreira.com.br

Nós vimos: Sucker Punch – Mundo Surreal


Feche os olhos. Abra sua mente. Você não estará preparado. Sucker Punch – Mundo Surreal é uma fantasia épica de ação que nos apresenta a imaginação fértil de uma jovem garota, cujos sonhos são a única saída para sua difícil realidade em um hospício. Isolada dos limites de tempo e espaço, ela está livre para ir onde sua mente levar, porém, chega o momento em que suas incríveis aventuras quebram o limite entre o real e o imaginário, trazendo conseqüências trágicas.


Já imaginou jogar um game recheado de gatas com roupas mínimas em fases de ação soberbas e de tirar o fôlego, enfrentando samurais com metralhadoras, Nazistas semimortos, Dragões, orcs e muito mais? Agora imagina tudo isso sendo projetado numa sala de cinema! Essa foi a sensação que eu e muita gente teve ao assistir Sucker Punch – Mundo Surreal.

A cena inicial do filme já nos mostra sem rodeios os motivos pelos quais Babydoll (a lindíssima atriz Emily Browning), é levada por seu padrasto para ao hospício, num jogo de cenas rápidas ao som de uma versão de “Sweet Dreams”, cantada pela própria Emily.



Quando Babydoll  chega ao hospício, a história começa a se desenrolar e o filme vai alternando entre o hospício, um bordel e o mundo surreal criado na mente da garota, no que me fez lembrar em muito “A Origem”, onde um sonho podia existir dentro de outro.


Em sua primeira fuga da realidade, vemos Babydoll com uma roupinha sexy de colegial japonesa, em frente a um templo oriental nevado.  Lá ela conhece o “sábio” (wiseman), um velho que lhe dá as armas necessárias para sua missão, uma kanata e uma pistola semi-automática. Ele explica que para conquistar a liberdade, ela deve conseguir 5 itens: mapa, fogo, faca, chave e um quinto item, que é um mistério.


Babydoll, já com sua katana e o "sábio".

"If you don't stand for something, you'll fall for anything."

Três Samurais gigantes aparecem como seu primeiro desafio, como se fossem o “boss” da fase de um game. Confesso que fiquei bem empolgado com as cenas de ação, uma mistura de artes marciais, metrancas e espadas.




Zack Snyder, sim, o visionário diretor, o nome por trás de filmes como 300,  Watchman e Madrugada dos mortos, é um fã assumido da indústria de games. Numa entrevista, o mesmo, revelou que jogou muito Gears of War 2 enquanto criava sua mirabolante história. 




Em sua trama, Sucker Punch chega a ser bem previsível, na metade do filme, já dava pra sacar o desfecho, aliás, o desfecho tenta dar um significado mais profundo a história, muito parecido com que “O Procurado” fez em seu final. No geral, Sucker Punch é um filmão, que cumpre muito bem seu papel como filme de ação, com uma excelente trilha sonora e um elenco repleto de gatas, (me afeiçoei a cada uma delas) /o/



"Oh, and one more thing:  Don't write any checks with your mouths that your ass can't cover... And don't wake the dragon." 

By Wiseman (Sucker Punch)



E amanhã é a primeira sexta-feira do mês! 
Dia de Stray-Game! Aguardem! o/

0 Pessoas deixaram um comentário? o_O: